Typography – Tipografia – Tipográfia – Typographie – Typografie – Typografi – Τυπογραφία

Archivio del tag ‘tipografiche’

Altura de x-height

questo post è ancora senza commenti! - lascia il tuo, grazie

Nós vimos em um post anterior na categoria “tipometria” a definição de corpo do tipo e as unitade de medida tipográfica.

Mas o corpo não é um bom indicador do tamanho das fontes, mas apenas à sua dimensão vertical. Você não diz, mas se você olhar, as duas composições abaixo têm o mesmo corpo do texto base. Isso deixou o «Bernhard Modern», tem a sua volta – os ascendentes muito longos, e os olhos “médio” pequeno, um à direita, o «News Gothic», apresenta um olho “médio” grande.

Mesmo no exemplo abaixo todos os tipos são compostas com o mesmo corpo, mas alguns compostos aparecem na parte superior do corpo, outras em parte inferior do corpo.

Então, o olho do tipo é tudo o que você vê de letra quando ela é impressa, exceto os acentos de capitalização. O olho é, então, a largura ea altura real da letra e é dividido em três partes: olho média que é relatado no “x” minúsculas (x-height); o olho acima, o que corresponde ao ascendentes de minúsculas – tomamos como referência a “l”; e olho inferior, o que corresponde ao descendentes de minúsculas, tomamos como referência ao “p” e “g” depende da os tipos.

O olho médio de uma letra não mante sempre o mesmo tamanho e proporções em todos os alfabetos do mesmo corpo. No mesmo corpo, os tipos com olhos grandes parecem muito maior de que aqueles com olho médio pequeno. Se você quiser reduzir o corpo de um texto para obter mais espaço na página, basta escolher um tipo com olho médio grande, as letras formando as palavras serão mais legíveis. Esta dimensão, ou proporção, é chamada “médio alinhamento ocular” e é definida como a altura relativa de um “x” em relação à altura das letras minúsculas para maiúsculas.

Os tipos com olho médio – pequenos tem contrapunçãos menores e mais ascendente e descendente maiores, normalmente são usados em textos compactos com entrelinha igual ao seu corpo, em alguns casos raros com entrelinha negativa (apenas correção de pequenas dimensões) e pode conter o número de páginas ou o comprimento de uma coluna de texto. Os tipos: «Bembo», «Bodoni», «Baskerville», «Bernhard Modern», «Chaparral», «Garamond», «Jenson», «Perpetua» são um exemplo de tipos com olhos pequenos, mas entre eles o «Bodoni», mesmo que não tenha os olhos mais pequenos do «Garamond» ou do «Jenson», parece ser um tipo muito elegante, mas difícil de ler no textos longos, se presta muito bem para “frontispícios”, o “titulos”,portanto, com grandes corpos. O mesmo «Bodoni» dá para página uma maior sensação de vazio, enquanto um tipo com olho médio mas grande do isso dá uma impressão de maior densidade, resultando muitos estético em situações de composição

Nos tipos com olho médio – médio as proporçãoes entre as minúsculas e os ascendentes são homogéneas e isso é garante que ele é adequado para uma ampla gama de applicações. Exemplos dos tipos com olho médio são: «Futura», «Avenir», «Clarendon», «Times», «Gill Sans», «Optima», «Minion», «Palatino», «Serifa», «GFT Venexiano», «FF Scala», «Bell Gothic» e «Souvenir».

Os tipos com olho médio – grande são aqueles que oferecem a vantagem de facilitar a leitura e são utilizados onde não há falta de espaço ou de economia. São portanto, adequado para compor textos para leitura pelas crianças, para livros didáticos e cartazes onde a comunicação verbal é mais importante no visual. Os tipos: «American Typewriter», «New Century Schoolbook», «Antique Olive», «Avant Garde», «Franklin Gothic», «Helvetica», «Letter Gothic», «Myriad», «News Gothic», «Rockwell», «Univers» e «Tiepolo» são um exemplo de tipos com olhos grande.

Texto em italiano

.

Type Video: 3 vídeo de Mario García em muitos jornais internacionais

questo post è ancora senza commenti! - lascia il tuo, grazie

No primeiro vídeo Mario García explica a importância da leitura e boa disposição para um jornal explicando os vários tipos de jornais europeus e americanos, como a Folha de São Paulo (Brasile), DeMorgen (Germania), La Tribune (Francia), Paris Match (Francia), The Hindu (India), The Wall Street Journal (USA), The Miami Herald (USA), Die Zeit (Germania), Salzburger Nachrichten (Austria), e muitos outros jornais.

O segundo vídeo foi produzido pela Pegie Stark Adam e apresentado por Mario García sobre as bases da tipometria e tipográfia. Como Mario diz: «Minha esperança é que os novatos na sala de aula em todo o mundo serão capazes de aproveitar esta lição simples e atualizar seus conhecimentos sobre a tipografia básica, ou saber por que a estrutura de cada carta é importante quando se fazem escolha de fontes».

Mario começou sua carreira de ensino como professor de jornalismo e consultor de publicações em sua alma mater, Miami-Dade Community College. De lá, ele se tornou um professor de artes gráficas na Universidade de Syracuse University’s Newhouse School of Public Communications (1976-1985), e da University of South Florida (1985-1991). Além disso, ele era um Distinguished Professor da Universida de Navarra, na Espanha, e professor nas universidades em 14 países em toda a Europa e América Latina.

No terceiro e último vídeo, Mario García mostra o trabalho que está sendo feito em seu CVI – Center of Visual Impact na concepção de revistas e jornais.

Texto em italiano

Scritto da Giò

outubro 7th, 2008 at 4:29

5) Transicionais – Baroccos (Classificação Novarese)

con 7 commenti - leggili e lascia anche il tuo, grazie

O “s” longo

con 2 commenti - leggili e lascia anche il tuo, grazie

As medidas tipográficas

con 7 commenti - leggili e lascia anche il tuo, grazie

Tupigrafia: a rivista brasileira da tipografia

con 7 commenti - leggili e lascia anche il tuo, grazie
Tupigrafia 1 - Meirelles: un cacciatore di lettere
Tupigrafia 1 – Meirelles: un cacciatore di lettere

A revista Tupigrafia se dedica a mostrar a produção nacional do design tipográfico brasileiro e suas manifestações no design gráfico e na cultura em geral.

Tupigrafica 6 - Pagine che trattano il type design italiano basandosi sui lavori presenti in Italic 1.0
Tupigrafia 6 – Pagine che trattano il type design italiano basandosi sui lavori presenti in Italic 1.0

Também se propõe a trazer para os seus leitores as informações ligadas ao cenário internacional. Outra área de interesse é a produção de arte caligráfica, no Brasil e no exterior.

O design gráfico dá forma ao conteúdo editorial. Nesse sentido, ordena e qualifica obras que mostram a produção cultural de uma nação. Precisamos estabelecer rapidamente um parâmetro para a produção editorial e gráfica brasileira, mostrando e analisando trabalhos de artistas brasileiros. A comparação com a produção internacional também ajuda a formar um juízo crítico. O uso adequado dos recursos tipográficos é indispensável para garantir a expressividade de peças gráficas e levar o leitor à correta identificação e assimilação do conteúdo de uma obra editorial.

O designer, visto aqui como um produtor cultural, não é completo se não desenvolver ou aprofundar o seu conhecimento tipográfico. A computação gráfica capacitou o designer a produzir e interferir no design das páginas impressas com maior liberdade. É necessário garantir a qualidade de sua formação para que esteja capacitado a traduzir visualmente a cultura de nosso país.

Antes da computação gráfica, o bloco de texto estava condicionado e acabava por condicionar o designer-usuário a uma relação mecânica com mínimas possibilidades de interferência. Os designers deixaram de ser meros usuários da tipografia. Passaram a se apropriar livremente desse código. A página digitalizada não mais se apresenta de forma estática, mas como algo vivo, com novos e inúmeros recursos. Esse, portanto, é o novo cenário com as mais diferentes concepções e tendências, evidenciando a força desse mercado e o reconhecimento da tipografia como recurso imprescindível na linguagem gráfica.

O design tipográfico traz um repertório amplo, uma dimensão estética poderosa e expressiva, além de sua função primordial como veículo do conteúdo. Interessa não só àqueles envolvidos com o processo gráfico e editorial mas também ao leitor comum, sensível aos recursos visuais que valorizam e organizam uma página de livro, um cartaz ou uma placa de sinalização.

http://www.tupigrafia.com.br

Tupigrafia 7 - Font: ITC Roswell, di Jim Parkinson, 1998 e Electra, di William Dwiggins, 1935
Tupigrafia 7 – Font: ITC Roswell, di Jim Parkinson, 1998 e Electra, di William Dwiggins, 1935

Texto em italiano